Visão geral

A placenta é um órgão que cresce no útero durante a gravidez. A insuficiência placentária (também chamada disfunção placentária ou insuficiência vascular uteroplacentária) é uma complicação incomum mas séria da gravidez. Ocorre quando a placenta não se desenvolve adequadamente ou está danificada. Este transtorno do fluxo sanguíneo é marcado por uma redução no suprimento de sangue da mãe. A complicação também pode ocorrer quando o suprimento de sangue da mãe não aumenta adequadamente em meados da gravidez.

Quando a placenta funciona mal, não consegue fornecer oxigênio e nutrientes adequados ao bebê da corrente sanguínea da mãe. Sem este apoio vital, o bebê não pode crescer e prosperar. Isso pode levar ao baixo peso ao nascer, nascimento prematuro e defeitos congênitos. Também traz riscos acrescidos de complicações para a mãe. Diagnosticar este problema cedo é crucial para a saúde da mãe e do bebê.

Funções da placenta Funções vitais da placenta

A placenta é um órgão biológico altamente complexo. Forma e cresce onde o ovo fertilizado se prende à parede do útero.

O cordão umbilical cresce da placenta para o umbigo do bebê. Permite que o sangue flua de mãe para bebê e de volta. O sangue da mãe e o sangue do bebê são filtrados através da placenta, mas nunca se misturam.

Os trabalhos principais da placenta são:

  • movem o oxigênio para a corrente sanguínea do bebê
  • transportam dióxido de carbono de distância
  • passam nutrientes para o bebê
  • transferem resíduos para disposição pelo corpo da mãe

A placenta também tem um papel importante na produção hormonal. Também protege o feto de bactérias e infecções nocivas.

Uma placenta saudável continua a crescer ao longo da gravidez. A American Pregnancy Association estima que a placenta pesa 1 a 2 libras no momento do nascimento.

A placenta é removida durante o trabalho de parto. De acordo com a Clínica Mayo, é entregue entre 5 e 30 minutos após o bebê.

CausasCaus de insuficiência

A insuficiência placentária está ligada a problemas de fluxo sanguíneo. Enquanto o sangue materno e os distúrbios vasculares podem desencadear, medicamentos e hábitos de vida também são possíveis desencadeantes.

As condições mais comuns ligadas à insuficiência placentária são:

  • diabetes
  • hipertensão arterial crónica (hipertensão)
  • distúrbios de coagulação sanguínea
  • anemia
  • certos medicamentos (particularmente diluentes de sangue)
  • abuso de drogas (especialmente cocaína, heroína e metanfetaminas)

A insuficiência placentária também pode ocorrer se a placenta não se prender corretamente à parede uterina ou se a placenta se afastar dela (desprendimento placentário).

Sintomas Sintomas

Não existem sintomas maternos associados à insuficiência placentária. No entanto, certas pistas podem levar ao diagnóstico precoce. A mãe pode notar que o tamanho do útero é menor que em gravidezes anteriores. O feto também pode estar se movendo menos do que o esperado.

Se o bebê não estiver crescendo adequadamente, o abdômen da mãe será pequeno, e os movimentos do bebê não serão sentidos demais.

Podem ocorrer hemorragias vaginais ou contrações de parto prematuro com desprendimento placentário.

ComplicaçõesComplicações

Mãe

A insuficiência placentária geralmente não é considerada fatal para a mãe. No entanto, o risco é maior se a mãe tiver hipertensão ou diabetes.

Durante a gravidez, a mãe é mais provável que experimente:

  • preeclampsia (pressão arterial elevada e proteína na urina)
  • desprendimento placentário (a placenta puxa para longe da parede uterina)
  • parto e parto prematuros

Os sintomas da pré-eclâmpsia são excesso de peso, inchaço nas pernas e mão (edema), dores de cabeça e pressão arterial elevada.

Baby

Quanto mais cedo na gravidez ocorre a insuficiência placentária, mais graves são os problemas para o bebê. Os riscos do bebê incluem:

  • maior risco de privação de oxigênio no nascimento (pode causar paralisia cerebral e outras complicações)
  • dificuldades de aprendizagem
  • baixa temperatura corporal (hipotermia)
  • baixo nível de açúcar no sangue (hipoglicemia)
  • Muito pouco sangue cálcio (hipocalcemia)
  • excesso de glóbulos vermelhos (policitemia)
  • parto prematuro
  • cesariana
  • morte-morte
  • morte

Diagnóstico Diagnóstico e manejo

A obtenção de cuidados pré-natais adequados pode levar para um diagnóstico precoce. Isso pode melhorar os resultados para a mãe e o bebê.

Os testes que podem detectar insuficiência placentária incluem:

  • ultra-sonografia de gravidez para medir o tamanho da placenta
  • para monitorar o tamanho do feto
  • níveis de alfa-fetoproteína no sangue da mãe (uma proteína produzida em o fígado do bebê)
  • teste de não-estresse fetal (envolve o uso de duas correias no abdômen da mãe e às vezes um zumbador suave para despertar o bebê) para medir a freqüência cardíaca e as contracções do bebê

O tratamento da pressão arterial materna ou diabetes pode ajudam a melhorar o crescimento do bebê.

Um plano de cuidados de maternidade pode recomendar:

  • educação sobre pré-eclâmpsia, bem como auto-monitoramento da doença
  • visitas mais frequentes ao médico
  • repouso para conservar combustível e energia para consulta do bebê
  • com um especialista em fetal materno de alto risco

Talvez seja necessário manter um registro diário de quando o bebê se move ou chuta.

Se houver preocupação com o nascimento prematuro (32 semanas ou mais cedo), a mãe pode receber injeções de esteróides. Os esteróides se dissolvem através da placenta e fortalecem os pulmões do bebê.

Você pode precisar de cuidados ambulatórios intensivos ou de internação se a pré-eclâmpsia ou a restrição do crescimento intra-uterino (IUGR) se tornarem graves.

OutlookOutlook

A insuficiência placental não pode ser curada, mas pode ser gerenciada. É extremamente importante receber um diagnóstico precoce e cuidados pré-natais adequados.Estes podem melhorar as chances de crescimento normal do bebê e diminuir o risco de complicações do nascimento. De acordo com o hospital Mount Sinai, a melhor perspectiva ocorre quando a condição é apanhada entre 12 e 20 semanas.